Buscar
  • José Amorim de Oliveira Júnior

O preço que se paga por ter sido uma “Criança Boazinha Demais”⁣

Às vezes ouvimos pessoas dizerem que seus pais falavam que quando ela era criança que ela foi uma “ótima filha, boazinha”, “nunca dava trabalho”, “sempre se virava sozinha”...⁣ Em princípio até parece ser um ótimo negócio, isso: crianças que “se viram sozinhas”, “não dão trabalho”, “são sempre boazinhas” ...



💔 Porém, a atitude aparentemente inocente de “ser boazinha”, “não dar trabalho” e “se virar sozinha, sempre”, na infância, acaba escondendo problemas, em muitos casos, quando a criança não teve suas necessidades afetivas atendidas, levando essas crianças excessivamente “boazinhas” a desenvolverem o que se denomina de “Esquemas Iniciais Desadaptativos”, padrões emocionais e cognitivos responsáveis pelo funcionamento da personalidade e que leva a pessoa a se comportar de forma prejudicial, ao longo de toda a sua vida.


Veja abaixo alguns dos “Esquemas Iniciais Desadaptativos” mais frequentes que são desenvolvidos na infância quando a criança não tem suas necessidades afetivas atendidas:

💣 ESQUEMA DE REJEIÇÃO/ABANDONO: a pessoa sente que foi “roubada” emocionalmente: teve de se calar, anular suas necessidades emocionais. Geralmente os pais concentraram o foco em um irmão/irmã, que recebeu toda a atenção, pois ele/a agia como uma criança normal, quando ainda está aprendendo a receber limites e regular suas emoções. Às vezes acontece também de o pai focar toda a sua atenção na mãe, ou da mãe atender as necessidades do pai e esquecer a criança “boazinha”, que “não dá trabalho, é quietinha”. Essas pessoas aprendem com os pais que elas só têm valor se estiverem agradando os pais, sendo o orgulho deles, se ela estiver sendo a “princesinha” da mamãe/do papai. Passam a se cobrar em um nível cruel, são aprendizes vorazes e insaciáveis da infeliz arte de agradar o outro. Mais tarde, em vez de atender as demandas e necessidades dos pais, buscarão atender as demandas e necessidades de seus namorad@s, espos@s, chefes, filh@s, amig@s, ou seja, buscarão sempre agradar a todo mundo, menos a si mesmas!⁣

. BUSCA DE APROVAÇÃO/RECONHECIMENTO: foco excessivo nos desejos e sentimentos do outro, em buscar receber amor e aprovação, deixando suas necessidades em segundo plano. Geralmente se tornam dependentes emocionais e vem para a terapia por causa dos ABUSOS que eles sofrem, por viverem em relacionamentos com pessoas antissociais que muitas vezes se associam ao dependente como um “PARASITA”, sugando suas energias.

. PADRÕES INFLEXÍVEIS / POSTURA CRÍTICA/PUNITIVA EXAGERADA: a pessoa cresce e se torna excessivamente punitiva, crítica, impaciente, intolerante, sistematicamente rebaixando o outro, de forma agressiva. Se torna um "doutrinador", um "disciplinador", quer "ensinar" os outros o tempo todo, dar lições de moral. São pessoas guiadas pela crença de que as pessoas devem ser severamente punidas por cometerem erros e falhas.


. SENTIMENTO DE INADEQUAÇÃO, DE NÃO-MERECIMENTO (DEFECTIVIDADE): pessoas que sentem que a vida não flui, geralmente têm um senso de cobrança exagerado e usam, como estratégia de defesa, como resposta de sobrevivência, a procrastinação. É melhor não fazer, pois acreditam que fazendo não conseguirão alcançar os padrões de qualidade impossíveis de serem alcançados, que criaram para si, desde a infância.



Fonte: adaptado do livro do fundador da abordagem da Terapia do Esquema, Jeffrey E. Young et. al: Terapia do Esquema: Guia de técnicas cognitivo-comportamentais inovadoras (Ed. Artmed)



🌱 Faz sentido para você? O que pensa sobre isso?

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo